Ir para conteúdo


LYCAT

Cadastrado: 23 Mar 2018
Offline Última atividade: Hoje, 11:07

#158636 Modernização da rede móvel LTE

Postado por LYCAT em 30 Junho 2018 - 11:32

Com a actual modernização da rede móvel NOS para SRAN a nível do LTE a maior parte dos sites ficarão com LTE nos 2100 MHz.

 

Na MEO por exemplo a expansão da cobertura LTE tem sido realizada nos 2100 MHz e 1800 MHz.

 

A Vodafone Portugal também possui sites com LTE nos 2100 MHz.

 

No caso da NOS do que tenho visto estão a utilizar uma portadora de 5 MHz, no caso da MEO estão a usar 10 MHz. Na NOS com uma portadora de 5 MHz consegue-se obter velocidades teóricas de 37.5 Mbps download e 12.5 Mbps e Upload. Na prática já conseguir 30 Mbps de Download e 10 Mbps de Upload.

 

Em UMTS podem utilizar desde 1, 2, 3 ou 4 portadoras. A maior parte da rede UMTS da NOS apenas está a usar 1 portadora, mas há sites com 2 ou mais portadoras, dependendo da capacidade que seja necessária. Com 1 portadora teoricamente consegue-se atingir os 21 Mbps.

 

No caso do UMTS com 2 portadoras consegue-se atingir teoricamente 43.2 Mbps com HSPA+ DC.

 

Na Vodafone já vi estarem a emitir LTE nos 2100 MHz com 20 MHz de Portadora e com antenas MIMO 4x4 que teoricamente consegue atingir velocidades de 300 Mbps.

 

Futuramente se a NOS colocar mais uma portadora de 5 MHz nos 2100 MHz LTE irá aumentar a capacidade do LTE, os 2100 MHz irão ser utilizados para o CA.

 

No caso do UMTS na NOS é fácil verificar-se o número de portadoras em qualquer programa de monitorização de rede ou utilizando um código no caso dos Iphones e equipamentos com Android.

 

1ª Portadora - 10688

2ª Portadora - 10713

3ª Portadora - 10663

4ª Portadora - 10737




#158633 4G+ e 4,5G, quais as vantagens e quando chega o 5G?

Postado por LYCAT em 29 Junho 2018 - 21:13


 

iStock-649900756.jpg?size=xl

 

Desde que surgiu a primeira rede de telemóveis em Portugal (estamos a falar já depois dos famosos telefones de mala transportáveis) que tem havido um crescimento e evolução ao nível da cobertura e capacidade da rede.

 

A estratégia passou por colocar no mercado um telemóvel acessível a todas as pessoas e, desde então, a evolução tem sido constante. Com o lançamento do primeiro iPhone, a Apple abriu as portas a uma nova revolução. Surgiu depois o Android, e o mercado adoptou os smartphones como uma ferramenta de trabalho mas também de lazer.

 

Com os smartphones, vem a capacidade de novos conteúdos, abrem-se as portas a uma série de startups, empresas dedicadas às aplicações, jogos, ferramentas de trabalho. E a evolução continua. Todos os anos, mais do que uma vez por ano, as marcas lançam para o mercado aparelhos mais potentes, com capacidades muito próximas daquilo que um computador já consegue fazer.

 

Por isso, a par das funcionalidades do aparelho em si, atualmente, a rapidez de acesso a dados talvez seja aquilo que mais pesa na decisão dos consumidores. Já ninguém quer saber de velocidades com Mbps, o pensamento viaja ao nível dos Gbps.

 

Smartphones cada vez mais rápidos, conteúdos com mais definição, e a rede a precisar de se adaptar a toda esta evolução. Apenas como exemplo, e talvez exagerando um pouco, esperar mais de 5 segundos para ver um conteúdo no smartphone é uma eternidade. E esta exigência estende-se a conteúdos de alta definição. Tudo tem de ser mais rápido, cada vez há menos tolerância para tempos de latência que, parecendo longos, atingem milissegundos.

 

Sem entrar em muitos pormenores sobre o passado (já passámos pelo GSM, 2G, 3G) atualmente o acesso mobile é feito através da rede 4G que permite velocidades de acesso até 150 Mbps. Através do reforço e duplicação das portadoras, é possível chegar a débitos na ordem dos 300 Mbps. A isto chama-se 4G+. Uma tecnologia que, neste momento, tem uma cobertura de cerca de 60% do território nacional e que deverá, no caso da rede MEO, chegar aos 70% até ao final de 2018. Mas há testes para implementar a rede 4,5G que permite velocidades perto de 1 Gbps através da rede móvel.

 

E é na velocidade, essencialmente, que existe essa diferença de designações relativamente ao 4G+ e 4,5G e que, por vezes, lança alguma confusão. A explicação é simples.

 

 

 

O primeiro teste de 4,5G em ambiente real foi realizado durante a Web Summit com a velocidade a chegar aos 970 Mbps. Velocidades que vão ao encontro das exigências dos utilizadores e do atual panorama onde a quantidade de conteúdo gerado pela comunidade é constante.

 

E o 5G?

 

Apesar de velocidades próximas de 1 Gbps, isso não chega. Estamos a viver em pleno o HD, o 4K, as promessas do 8K. Esta exigência dos consumidores é implacável.

 

Além disso, é preciso contar com os períodos de latência que atualmente impedem uma boa comunicação com aparelhos de maior precisão. São milissegundos que fazem toda a diferença em atividades como controlar um trator através de uma rede sem fios ou efetuar uma operação remotamente, com recurso a um robot de precisão.

 

Hoje em dia, a única garantia de latência praticamente zero é a ligação por fibra óptica. Algo que será colmatado pela rede 5G que a Europa pretende ter implementada até 2020. 

 

Um investimento avultado e algo moroso, mas crucial, que os operadores terão de fazer para alterar a infraestrutura. Por isso, o horizonte da UE de 2020 para que esta rede esteja a funcionar (não significa com cobertura total). No entanto, há países que, estando mais atrasados do que Portugal, por exemplo, no que diz respeito à distribuição do serviço de Internet por fibra, como a Alemanha, querem acelerar a implementação do 5G.

 

Portugal, com a adopção do 4G+ e do investimento no 4,5G está já a fazer uma parte do caminho.

 

 

Esta rede 5G será mais potente, com velocidades que podem ir entre 10Gbs e os 20 Gbps, e irá essencialmente servir para resolver muitos dos problemas que existem ao nível da comunicação no mundo da Internet das Coisas que exige comunicações e resposta imediata através das redes sem fios, como os carros autónomos, por exemplo.

 

"A quantidade de dados que um carro da Tesla envia por segundo para a central é enorme e com a rede 4G ainda sofre com alguma latência.

 

Com o 5G, e com a latência praticamente de um milissegundo, pode haver respostas mais rápidas e travagens de segurança com maior precisão", refere João Figueiredo, responsável pela Rede de Acesso Móvel MEO.

 

E, tal como refere, "numa primeira fase, serão as empresas quem vai beneficiar mais com a rede 5G, uma vez que a velocidade de dados já é, atualmente, bastante boa para os utilizadores". No entanto, quando se sabe que pode ser mais rápido, exige-se essa rapidez.

 

Por isso, o 5G impõe-se para melhorar o acesso mobile e para permitir que, tal como sucede hoje, as chamadas sejam mais constantes mesmo quando estamos em viagem. Em Portugal já nem é muito comum a chamada cair a meio de uma viagem de carro (sucede em algumas zonas com menor cobertura) mas em Bruxelas, por exemplo, numa viagem de comboio, é raro encontrar alguém que não se queixe das quebras constantes das chamadas que estão a ser realizadas.

 

Portugal, tirando também partido da sua dimensão, tem sido um exemplo na Europa e essa é uma das razões para o lançamento da rede 4G+ e 4,5G. No fundo, é uma espécie de preparação para o 5G mas usando a mesma infraestrutura, melhorando o sinal através da duplicação das portadoras.

 

Fonte: http://blog.ptempres...ntagens-e-60742




#158586 Modernização da Rede Móvel NOS Portugal 2018

Postado por LYCAT em 27 Junho 2018 - 09:17

No Mercado da Ribeira em Lisboa quem passar por lá poderá ver e testar uma Small Cell em funcionamento. Funciona em LTE nos 2600 MHz. No Algarve há umas quantas Small Cell e em Lisboa também.

 

3573a469-2f3b-44e1-bc88-a9efbbd05e4a.jpg

748b99e5-055a-4e5d-8aaf-a1184927a39e.jpga5b01ea4-13ed-4bc7-b2e5-ad1a1f0ec935.jpg087d6cbb-f67a-4111-8b62-6a9a714b5890.jpg

 

Em alguns dos locais já modernizados é possível verificar que as antenas montadas já estão preparadas para MIMO 4x4.

 

Na Galiza (Fim do Mundo) em Cascais é possível ver-se uma dessas antenas com MIMO 4x4 activo e experimentar a velocidade de Download.

 

Deixo aqui alguns testes realizados:

 

Na Parede com o LTE 2100 MHz e apenas uma portadora de 5 MHz:
 

8268e30a-cb65-44ae-ac40-23c41e2184ca.jpg

ef69b493-b326-4628-b302-5602395ec77d.jpgdfd0e856-ca30-402f-9d71-a763697fed0b.jpgaeda83cf-928d-4fa9-8d92-92d3149c6996.jpg



Na Galiza, Fim do Mundo LTE nos 2600 MHz com uma portadora de 20 MHz:

 

 

3d1fde76-4f2c-47c7-b5c3-3f9d859c7260.jpg



Em São pedro do Estoril LTE 1800 MHz com uma portadora de 20 MHz:
 

6aced2b1-4dc2-49f1-8746-cd20e93db57b.jpg



Em São pedro do Estoril HSPA+ DC 2100 MHz com duas portadoras:
 

dbdff73b-e179-40f8-a5eb-ebdf7d08d68a.jpg



 

 

Para verificar as velocidades teóricas em LTE há uma excelente aplicação - https://tools.pedroc.co.uk/4g-speed/
 




#158368 NOS INTEGRA LABORATÓRIO COLABORATIVO EM TRANSFORMAÇÃO DIGITAL

Postado por LYCAT em 31 Março 2018 - 18:04

A NOS reforça o seu compromisso com a investigação e desenvolvimento ao integrar o Laboratório Colaborativo em Transformação Digital - DTx, em conjunto com várias entidades, através da Fundação para a Ciência e Tecnologia.

 

O Laboratório Colaborativo, do qual a NOS é uma das entidades fundadoras, é uma instituição de investigação aplicada em diferentes áreas associadas à transformação digital. Tem por objetivo incentivar a cooperação entre unidades de I&D, instituições de ensino superior e o setor produtivo, assegurando novas formas colaborativas e de partilha de risco entre os setores público e privado que sejam potenciadoras de criação de valor e de emprego qualificado neste domínio científico.

 

Fruto de uma iniciativa conjunta promovida pela Fundação Ciência e Tecnologia (FCT), Agência Nacional de Inovação (ANI), Ministério da Economia e Ministério da Ciência e Ensino Superior, os Laboratórios Colaborativos (CoLAB) envolvem a Academia, centros de investigação e o tecido empresarial.

 

O Laboratório Colaborativo em Transformação Digital agrega os centros de investigação da Universidade do Minho, da Universidade de Évora, da Universidade Católica e da CEIIA, INL. Para além da NOS inclui ainda as empresas Accenture, eBankIT, Bosch, Cachapluz – Bilanciai, Celoplás, Embraer, IKEA, NEAdvance, Primavera, Simoldes, TMG Automotive e WeDo.

 

Neste âmbito, a NOS, como operador de telecomunicações de referência, dá continuidade à sua aposta na I&D digital, essencial à competitividade do setor e alinhada com a sua estratégia de inovação.

 

Para Pedro Bandeira, diretor da NOS Inovação “com este passo a NOS integra um ecossistema talhado para a investigação e desenvolvimento, estreitando uma colaboração entre Academia, laboratórios, centros de investigação e empresas das mais diversas áreas de atuação. A visão da inovação de forma aberta e colaborativa que presidiu ao desenho deste Laboratório está plenamente alinhada com a da NOS e estamos entusiasmados em fazer parte deste encontro de vontades e know-how.”

 

A implementação de CoLABs será estruturada em duas fases. A fase inicial corresponderá à constituição de uma rede de instituições com o reconhecimento de CoLAB que, numa segunda fase, se poderá candidatar a programas de financiamento públicos específicos.

 

Com a atribuição do título de CoLAB a consórcios pretende-se estimular a criação de emprego altamente qualificado e, se possível, internacionalizar a capacidade científica e tecnológica nacional, através da ligação destes instrumentos às redes internacionais de laboratórios colaborativos.